Sem floresta não tem água

Saímos em expedição para registrar de perto - e do alto, com drones - a real situação dos principais mananciais do Sudeste. O que vimos indica que o pior da crise da água ainda está por vir.

Clique nos boxes verdes no mapa abaixo para conferir as imagens das represas.

Área da represa Paraibuna
Encontramos a represa de Paraibuna, no Vale do Paraíba do Sul, com menos de 5% de sua capacidade. Isso no fim da estação de chuvas. Ou seja, não vai ficar muito melhor. Pelo contrário, a perspectiva para este ano é assustadora. Nesse mesmo período do ano passado (início de abril de 2014), Paraibuna registrava 40% de seu volume total.
(passe o cursor sobre os ícones no mapa acima para visualizar as fotos)

Assista aqui ao primeiro vídeo da expedição

Área da represa Jacareí-Jaguari
Lançamos o drone em três pontos diferentes de uma das represas, a Jaguari-Jacareí. Para quem se preocupa com o futuro de São Paulo, um aviso: as imagens captadas do alto são fortes. Apenas 15% das florestas da bacia estão preservadas. Dos rios que compõem o manancial, 76,5% estão sem suas matas ciliares.
(passe o cursor sobre os ícones no mapa acima para visualizar as fotos)

Assista aqui ao segundo vídeo da expedição

Área da represa Serra Azul,
Minas Gerais, um dos principais componentes do Sistema Paraopeba, que garante – ou garantia - água para parte da Grande Belo Horizonte, ou 5,7 milhões de seus habitantes. Detalhe: em toda a bacia hidrográfica do Paraopeba, resta menos de 12% da floresta nativa.
(passe o cursor sobre os ícones no mapa acima para visualizar as fotos)

Assista aqui ao terceiro e último vídeo da expedição